A Tecnica Pomodoro

Atualizado: Ago 28

Atiramos tomates à procrastinação


Não Pomodoro de tomate a não ser daquele que inspirou designers para decorar o relógio de cozinha. Sim aquele de fazer bolos que as nossas mães teimam em usar, em vez da app.


E é também inspirado nele que proponho uma técnica que me tem sido muito útil na gestão do tempo.


Parece que alguém (que nas fontes digitais já não dou crédito) propôs que os ciclos de atenção seriam de cerca de 25 minutos. De facto, se notarmos os grandes story tellers, os filmes de acção todos eles mostram um ciclo de intensidade que nos leva de períodos de marasmo a picos de intensidade de forma mais ou menos ritmadas e se são de 10 ou de 20 minutos, o indiscutível é que não podemos estar sempre no pico da atenção e certamente não nos queremos deixar eternamente no marasmo.


Passando à técnica em si, a proposta é que se utilize um temporizador e que se estipulem períodos de foco e de lazer, intercalados entre si. Uma sugestão, até porque coincide com a unidade de tempo que utilizamos (a hora), é a de intercalarmos períodos de foco de 25 minutos com períodos de lazer de 5 minutos (ou de 20/10, para os menos complacentes).


A teoria, e a prática (que desta técnica me recorro há já mais de uma década de trabalho à distância), diz que nos é fácil comprometer a 25 minutos de absoluta concentração, por muito exigente ou monótona que seja a tarefa, se soubermos que no fim desse período nos é permitido um escape de 5 minutos.


Da mesma forma, é importante comprometermo-nos a fugir da tarefa nos intervalos de 5 minutos.


Nesses escassos, mas preciosos 5 minutos, tome um café, folheie um jornal, dê de comer aos pássaros, e regresse. Não só isso reforçará a ideia que no fim do período difícil se encontra a recompensa, importante como sabem na consolidação de hábitos, como permitirá ao nosso cérebro descansar.


Em cada 4 “pomodoros” (ciclos de 25’/5’) pare um “pomodoro”. Permita-se um passeio à rua, ouvir uma música, ler umas páginas, fazer chá, telefonar a um amigo.


Para que não olhe para o seu relógio, use o da cozinha, com alarme, se ainda tiver um. Se não tiver, faça o download de uma app para o telefone se bem que esse o obrigará a manter o telefone ligado, grande factor de risco se a concentração profunda numa tarefa for o seu propósito.


Agora está em condições de organizar o seu dia. O período da manhã, como o da tarde será de 8 “pomodoros” de trabalho e um “pomodoro” de lazer. Pode fazer a sua lista de ToDo’s em número de pomodoros que crê que ocuparão.


Agora está também em condições de verificar o tempo que efectivamente levou em cada tarefa e, para aquelas que são rotineiras, estará em condições de saber ao certo o tempo que lhe tomam.


Começará a estar em condições de melhor prever a dimensão das suas novas tarefas e estará também em condições de se tornar um profissional capaz de prometer e cumprir.


Estará em condições de utilizar esta tecnica para a padronização de trabalho indirecto (não fabril), à semelhança do que já é boa prática para trabalhos onde a produtividade é critica, como a industria.


2 visualizações

Claudia Pargana Consultores lda | claudia.pargana@gemba.pt |+351 916877416

  • Linkedin | Claudia Pargana